Make your own free website on Tripod.com
Gondwana

A idéia de um super-continente no passado passou a ser admitida quando os exames realizados por meio de coleta de amostras geológicas, fósseis de vegetais, minerais, evidências nos depósitos salinos e glaciários, apontaram para a veracidade de uma constituição agrupada para os continentes no passado.

A teoria de Alfred Lothar Wegener passou então a ser reconhecida como algo que procurava elucidar à cerca dos verdadeiros fatos ocorridos no passado do planeta.

Contudo, apesar de admitido há pelo menos vinte e seis ou vinte e sete anos, não podemos encontrar elementos que estejam destinados a acrescentar dados para o que era definido então pelo meteorologista alemão (o reconhecimento de que estivesse se referindo à uma nova ciência, a geofísica, foi algo que só ocorreu muitos anos depois de sua morte), à não ser a admissão de que seu trabalho estivesse correto e que tenha de ser esmiuçado.

Na procura pelo desvendamento dos fatos que comprovam sua tese, a ciência contemporânea procurou fundamentar seus estudos na tentativa de aprofundar esta teoria e a idéia de uma subdivisão continental é uma das maneiras de se fazer isso.

A forma de interpretação desenvolveu a idéia de que no passado, até o período do Mesozóico, a Pangéia ainda se constituía em um super-continente. À partir deste período, ela passou a se fragmentar de maneira que regiões como a Europa e América do Norte ainda estivessem unidas até o Terciário ou o Quaternário.

Quando da sua ruptura, os continentes se dividiram inicialmente em dois grandes grupos (segundo esta maneira continuada das teses de Wegener), a Laurásia e a Gondwana que estava presente no Hemisfério Sul, e seria formado pela América do Sul , África , Madagáscar , Índia, Austrália, Antártica e algumas ilhas como a Nova Zelândia, Nova Caledônia, etc .

Esta idéia de uma região no passado que estivesse agrupando determinadas regiões do planeta, serviu como elemento comprobatório para as suposições de povos antigos desaparecidos na área do Pacífico, o que na verdade não condiz com os dados, uma vez que as eras não se coincidem, ou seja, no período em questão para os povoamentos existentes e que teriam desaparecido, os continentes já estariam separados (nesta mesma teoria).

O que pode ser mais correto de ser afirmado, é que os continentes tenham se desenvolvido à partir do acúmulo de lava submarina desenvolvida ao longo do tempo com as erupções vulcânicas sucessivas e o que certamente também ocorreu, foi a pressão de placas elevando regiões inteiras e permitindo o afloramento de porções de terra na superfície do planeta.

Assim sendo, o que teria ocorrido, seria uma formação terrestre cercada por um imenso oceano em seu redor.

Esta concepção de continente agrupado com uma formação emersa apenas na superfície da Terra, pode ter promovido o evidenciamento de sua má distribuição enquanto massa física, gerando movimentos desordenados que causaram pela força centrífuga e pela força de rotação da Terra, as pressões em sentidos diferentes para regiões do grupo do qual se constituía a imensa porção emersa.

Em outras palavras, ocorreu o posicionamento desta região em determinado ponto do planeta em uma época, sendo alterada em seguida com a força centrífuga, fazendo-a ser voltada para o perímetro, retornando para o extremo norte magnético, oscilando sua posição formando um ciclo de instabilidades.

Este ciclo instável seria o principal elemento propulsor para a imensa porção de terra na superfície do planeta então denominada Pangéia.

Dividindo-se em grupos como a Laurásia e a Gondwana, ela teria obtido condições mais propícias para a sua estabilidade, ordenando os movimentos de giro e rotação da Terra para algo mais próximo de um equilíbrio.

O que sabemos hoje é que as primeiras faixas de terra seca se formaram há cerca de 3,5 bilhões de anos, como resultado do acúmulo de lava que jorrava de vulcões submarinos. Eram no início pequenas ilhas cercadas por um gigantesco oceano fumegante. Por volta de 2 bilhões de anos formam-se os primeiros continentes: Ártica (que já apresentava fragmentos do território brasileiro), Atlãntica e Ur.

A agitação da crosta terrestre fragmentou os 3 continentes em inúmeros blocos menores de terra. Há 1 bilhão de anos alguns fragmentos se reuniram formando Rodínia, o primeiro supercontinente. Rodeando Rodínia havia um grande oceano chamado Miróvia. O território brasileiro distribuía-se em 3 mini-continentes: Amazônia, Rio da Prata e São Francisco. A Rodínia se fragmentou há 900 milhões de anos.

A Gondwana , ao que tudo indica, foi um supercontinente desde 600 milhões de anos até a sua ruptura, em torno de 100 milhões de anos, porém, com posições diferentes daquelas do Mesozóico. A Gondwana era parte de um supercontinente denominado de Panótia .

Durante o Paleozóico alguns pequenos continentes eram adjacentes à Gondwana , como Yucatã (México ), Flórida , Avalonia , Sul e Centro da Europa , Ciméria , Tibet e Sudeste da Ásia . O Pólo Sul encontrava-se no Norte da África durante o Cambriano . A Gondwana moveu-se rapidamente, sendo que o Pólo Sul, no final do Siluriano, estava no Brasil e no sul da Argentina no final do Devoniano , no sudeste da África no Carbonífero e, no início do Permiano, próximo do centro da Antártica .

O período Ordoviciano foi caracterizado, pela existência de várias bacias oceânicas e um grande Oceano – o Pantalássico . A Laurêntia , Báltica , Sibéria e Gondwana estavam próximas e se dispersaram. Entre a Báltica e a Laurentia, havia o oceano Iapetus. Nesse período, devido a um derretimento da camada de gelo no Sul do Gondwana (Norte e Centro da África e Bacia Amazônica ), houve um esfriamento dos oceanos, provocando uma extinção de organismos de água quente que viviam próximos ao Equador .

No Siluriano, ocorre a colisão da Laurentia com a Báltica , fechando o oceano Iapetus , formando as Caledônias na Escandinávia , norte da Grã-Bretanha e Groenlândia . No leste da América do Norte, forma-se o norte das Apalachianas. Já o norte e sul da China , derivam da Indo-Austrália e migram para o Norte.

No final do Paleozóico, muitos dos paleocontinentes colidiram, formando a Pangéia, que se estende de Pólo a Pólo, margeado a leste pelo Oceano Paleo-Tethys e a oeste pelo Oceano Pantalássico . Contudo, a leste, há vários continentes que não estavam unidos à Pangéia, como a China ao norte e a sul , a Ciméria (Parte da Turquia , Irã , Afeganistão , Tibet , Indochina e Malaya ). Estes continentes também migraram para o norte, colidindo com a Sibéria . Este último, ao colidir com a Báltica, formou os Montes Urais.

No Mesozóico , ocorreu a formação de um grande continente, a Pangéia . Porém a parte norte, como foi visto acima, foi formado pela colisão de vários continentes. Estes incluem a Laurêntia, Báltica, Avalônia, Europa Central e Sul, Sibéria, Casaquistânia, China, Tarim e Ciméria. Ao longo do Mesozóico tem-se que a Pangéia era formada por dois grandes blocos de terra: a Laurásia e a Gondwana.

A Laurásia, ao norte, era formada pela América do Norte, Europa e Ásia. As evidências levam a crer que o supercontinente da Gondwana, por sua vez, parece ter sido uma placa única, razoavelmente estável desde os registros do Pré-Cambriano até meados do Mesozóico. Esta região compreende hoje, a América do Sul, África, Índia, Austrália e Antártica. Wegener corretamente identificou as maiores regiões da Gondwana e como elas se moveram. No entanto, suas datações estavam muito erradas. Mesmo nos tempos atuais, não temos uma apurada reconstrução de todas as quebras pela falta de informações adequadas nos oceanos do sul. O início da quebra entre os 2 blocos está datado no Jurássico Superior, há cerca de 150 milhões de anos. A partir desse momento Laurásia e Gondwana se desligam definitivamente e os organismos passam a evoluir isoladamente.

A maioria dos cientistas concorda que a abertura do Atlântico Sul começou no Cretáceo Inferior, cerca de 127 milhões de anos atrás. Até no mínimo 115 milhões de anos, os continentes estavam reunidos na linha equatorial. A deriva foi lenta inicialmente, tanto que apenas no Eoceno (53 milhões de anos) ela foi completamente terminada. A velocidade da deriva foi de 1,2 a 2 cm por ano, cerca de 40 km por cada milhão de anos. A velocidade de deslocamento da placa Indiana, no entanto, foi surpreendente, de 10 a 12 cm por ano.

A Índia desagregou-se do leste do continente africano , deslocando-se no sentido nordeste há 90-80 milhões de anos, chocando-se com o continente asiático por volta de 55 a 53 milhões de anos, iniciando a orogenia do Himalaia . Portanto, a velocidade de deslocamento foi rápida, em torno de 180 km por milhões de anos. Sri Lanka é uma parte da Placa Indiana.

A Nova Zelândia estava ligada à Antártica , tendo-se separado há 80 milhões de anos, seguindo rumo ao norte. À medida em que ocorreu a expansão do Mar da Tasmânia, aumentou a distância entre o sudeste Australiano com a Nova Zelândia, sendo primeiramente uma grande ilha, mas depois tendo-se subdividido em duas ou mais unidades, diferentes em tamanho e forma das duas ilhas atuais. A Austrália , Nova Guiné e Tasmânia fazem parte de uma única placa. Sua união (a parte sudeste) com a Antártica foi perdida no Mesozóico (150 milhões de anos), ficando unida na parte noroeste até a 53 milhões de anos. A Tasmânia e Nova Guiné, hoje separadas da Austrália pelos estreitos de Bass e Torres , respectivamente, tiveram conexões com a Austrália no períodos em que ocorreram rebaixamentos do nível do mar.

O sudeste da América do Norte (Laurêntia ) esteve conectado com a parte noroeste da América do Sul desde o final do Carbonífero. No Mesozóico, com o início da quebra da Pangéia , ocorreu o isolamento dos dois continentes. Somente no Plioceno (4 milhões de anos atrás), com a elevação do Istmo do Panamá, voltaram a fusionar-se. A fusão deu-se pela formação de arco de ilhas e o deslocamento de duas placas: Cocos e Caribe .

Essa é uma história interessante, uma vez que houve uma fusão , posterior isolamento e novamente uma fusão. No entanto, durante a quebra da Pangéia, houve várias oportunidades geográficas que permitiram muitas trocas de organismos entre América do Norte e do Sul. No Cretáceo , por exemplo, a parte oeste do México esteve muito próxima da América do Sul , enquanto sua parte norte fazia a ligação com a América do Norte.

Com a expansão do Mar do Caribe , houve a formação de ilhas que derivaram para o sudeste, formando a placa do Caribe, que formaram as Grandes Antilhas . Esse movimento deu início à formação da placa de Cocos , que juntamente com a placa Pacífica Norte e placa de Nazca , empurraram a nordeste e sudeste uma série de ilhas, formando o que é atualmente a América do Sul. A Jamaica parece ter estado submersa no Mioceno , sendo sua biota estabelecida por dispersão e isolamento nos últimos 15 milhões de anos.

Todos esses eventos de deslocamento das placas propiciaram grandes modificações geográficas, como elevações de terras, afundamentos, entradas de mares continentais e mudanças climáticas, essas últimas, de acordo com posição longitudinal e latitudinal, entre outras.

O que sabemos hoje é que as primeiras faixas de terra seca se formaram há cerca de 3,5 bilhões de anos, como resultado do acúmulo de lava que jorrava de vulcões submarinos. Eram no início pequenas ilhas cercadas por um gigantesco oceano fumegante. Por volta de 2 bilhões de anos formam-se os primeiros continentes: Ártica (que já apresentava fragmentos do território brasileiro), Atlãntica e Ur.

VOLTAR