Make your own free website on Tripod.com

Piri Reis

1470-1554

Era a data de 09 de Novembro de 1929, quando Adolf Deismann, professor da Universidade de Berlim, entrou no palácio de Topkapki em Istambul na Turquia, em um local chamado Sarayburnu. Ele encontrou um mapa muito antigo, guardado em forma de rolo, como um antiqüíssimo pergaminho, no meio de um monte de entulho.

Iniciava-se o desvendamento para as civilizações ocidentais, sobre a história de um almirante turco do império Otomano conhecido como Piri Reis.

Seu nome verdadeiro era Piri Ibn Haji Mehmed, Reis signnifica almirante no idioma turco.

Piri Reis

1470-1554

 

Ele nasceu em 1470 na cidade de Gallipoli em Gelibolu (localidades provavelmente turcas). Já aos quatorze anos de idade ele passou a acompanhar as viagens de seu tio, conhecido em seu tempo como o "famoso homem do mar", Kemal Reis.

Trabalhavam em um corsário para o Império Otomano e entre paradas, capturas, lutas contra outros corsários e tempestades, conheceu diversas cidades entre 1493 e 1498.

Durante este período ele também teria obtido diversos mapas e cartas cartográficas antigas, ao todo cerca de vinte e seis. Após a morte de seu tio em 1511, ele foi para a sua cidade natal, Gallipoli, onde passou a elaborar o seu trabalho cartográfico, o mapa de 1513:

Diversas apresentações são feitas sobre este material e podem ser conferidas aqui nas que se seguem como a que está abaixo:
Qualquer uma das três que estão nesta página, são referentes ao mesmo trabalho, diferenciando apenas pela maneira como vieram a ser registradas.

Durante o período do sultão Kanuni Suleyman (Süleyman o magnífico), Piri Reis era o líder do império turco-otomano para grandes conquistas e teria realizado inúmeros combates, entre eles a batalha de Rhodes, onde a armada sob seu comando teve papel fundamental.

Em 1528 ele teria elaborado um segundo mapa, onde estaria definido também a América do Norte com seu relevo, rios e montanhas.

Foi capitão da Índia, administrou o Mar de Omã, o Mar Vermelho e o Golfo Pérsico, porém por ter falhado em uma viagem ao Egito, foi sentenciado à morte em 1554.

O trabalho de Piri Reis da maneira como se apresenta, distorce o que nós temos como mapeamento contemporâneo, visto que a apresentação da costa brasileira não condiz com o que temos como contorno geográfico atual.

Mesmo assim, já seria de causar muita inquietação a apresentação de rios, vales e montanhas tanto no Continente Africano como na América do Sul e Antártida, pois as regiões apresentadas no mapeamento de Piri Reis, não eram conhecidas nem por portugueses nem por espanhóis que estavam realizando suas conquistas no continente.

As extremidades ao sul do continente só viriam a ser observadas, registradas e mapeadas séculos depois e não no período em que Piri Reis estava elaborando este trabalho.

Mas todos os rios registrados por Piri Reis, assim como as condições de relevo e contorno continentais não se apresentavam de maneira equivocada, ao contrário, seu trabalho era mais perfeito e detalhado do que poderíamos imaginar.

O trabalho realizado pelo almirante turco, não foi feito à partir da nossa concepção cartográfica onde erramos pela planificação do formato esférico da Terra e incorremos no erro das proporções distorcidas onde as regiões próximas à linha equatorial gozam de perfeição e correta apresentação, enquanto que as extremidades ao sul e ao norte, são distorcidas pela planificação do formato esférico da Terra.

Piri Reis realizou seu trabalho partindo da forma esférica da Terra, sem incorrer no erro da planificação cartográfica e deste modo, seu mapa se baseou no formato do planeta, sem distorcer sua condição.

Para que isso viesse a ser possível, Piri Reis estabeleceu em seu mapa dois pontos de referência, onde a partir deles são determinadas as distâncias e se desenvolve o trabalho de cartografia.

Assim definidos, a apresentação cartográfica fica mais perfeita e mais próxima da condição em que se encontra, ou seja, no seu formato esférico, tal como podemos observar abaixo:

De tão preciso que está representado o contorno geográfico neste mapa, chegaram a supor que Piri-Reis tivesse elaborado por meio de uma visão aérea da região, o que só poderia ocorrer à quilômetros de altitude.

Arlington H. Mallery, especialista norte americano, conduziu o mapa de Piri Reis para ser observado por outros estudiosos, as maiores autoridades mundiais em cartografia, o cartógrafo I. Walters e o especialista polar R. P. Lincham. O explorador sueco Norles Hapgood e seu auxiliar, descobriram o sistema utilizado por Piri-Reis e os matemáticos confirmaram a sua precisão.

Segue abaixo o relato do próprio Piri Reis:

"Esta é a relação da maneira como este mapa foi executado. Ninguém em nossos tempos possui outro igual. Ele é produto de estudos comparados e deduzidos através de vinte mapas cuja origem e época é diversa. A parte principal corresponde à quarta parte do globo, com as terras emersas, teve sua origem em um mapa que pertencera ao rei Alexandre, senhor dos dois cornos. O mapa das Índias foi feito pelos árabes. As terras de Sind, Hind e China, bem como Cipangu, foram elaborados por navegantes portugueses e tem ainda um mapa igual ao que o infiel Colombo utilizou para redescobrir as novas terras do mar ocidental. As outras terras, por mim conhecida, foram desenhadas segundo minhas próprias observações e todo o conjunto foi realizado por este humilde servidor de Alá, no ano de 919 da Héjira (1.513 d.C.)."

VOLTAR